Busca


imprimir pdf
Servidor Fastethernet num Rack Virtual

Pré-requisitos


Para utilizar as funções presentes neste guia deverá possuir uma oferta Rack Virtual.

Precisa :
  • ter um rack virtual
  • ter no mínimo dois servidores dedicados da gama SP, EG, MG ou HG (placa de rede Gigabit ou Fast Ethernet) com a opção de utilização
profissional no rack virtual.
  • ter no mínimo um servidor dedicado com placa de rede Fast Ethernet com a opção de utilização profissional
  • saber como se ligar por ssh : consultar guia ssh ( para os servidores Linux )

Generalidades


O Rack virtual permite-lhe juntar virtualmente vários servidores (qualquer que seja o seu número e a sua localização física nos Datacenters) e permite-lhe conectar-se a um switch virtual no seio de uma mesma rede privada. Os seus servidores podem assim comunicar de maneira privada e segura entre eles (no seio de uma VLAN dedicada).

Os servidores com placa de rede 100bits (Fastethernet) não podem estar ligados a mais do que uma rede ao mesmo tempo, pois a rede "standard" será cortada. Se tem um servidor com uma placa de rede Gigabit, poderá ir a guia Rack Virtual para configurar as duas redes.

Vamos ver em conjunto como activar um servidor que utiliza uma placa de rede 100Mbits (Fastethernet) no seio de um rack virtual.

Encomende o rack virtual


Encomendar o(s) servidor(es) profissional(ais) :


Encomendar um rack virtual :

  • Para encomendar o seu rack virtual vá ao seu manager v3. Na página inicial, seleccione um dos seus servidores da gama SP, EG, MG ou HG.
Vá à rubrica e clique em . Necessita então de seleccionar os servidores que deseja adicionar à sua infraestrutura e valide a sua nota de encomenda.

Uma vez instalado o seu rack virtual receberá um e-mail de confirmação que irá conter a tag do seu rack virtual e todas as informações úteis. A tag não é utilizada para os servidores SP.

Restrições para os servidores FastEthernet


Quando o seu servidor está num rack virtual, é-lhe cortada a rede standard. Esta permite-lhe gerir os seus macs sem limitações e proteger a comunicação de maneira segura, em contrapartida será necessário desligar-se do seu rack virtual para poder utilizar certos serviços propostos pela OVH :


  • A reinstalação do sistema operativo
  • Os ips físicos do servidor, como os ips failovers que não estão no seu rack virtual
  • O sistema de Netboot
  • Os monitorings propostos pela OVH

Configuração do servidor


IMPORTANTE !!
Esta etapa é crucial, pois o seu servidor não estará disponível na rede pública se configurar apenas um ip privado, e só se poderá ligar a ele a partir de outro servidor que esteja no interior do seu rack virtual.
Devemos tomar em conta esta informação na configuração da firewall, dos ips que escutam os seus serviços, particularmente para o serviço ssh e configurar um ip ripe ao qual seja permitido o acesso a partir da rede pública.


O procedimento será o seguinte :

  • Introduzir o servidor em modo de rescue
  • Montar a partição principal
  • Editar a configuração de rede
  • Introduzir o servidor no rack virtual
  • Iniciá-lo, com o carregamento do SO a partir do disco (netboot HD), assim a nova configuração de rede é tida em conta

Redhat Like (Redhat, Centos...)


IMPORTANTE !!
Esta etapa é crucial, pois o seu servidor não estará disponível na rede pública se configurar apenas um ip privado, e só se poderá ligar a ele a partir de outro servidor que esteja no interior do seu rack virtual.
Devemos tomar em conta esta informação na configuração da firewall, dos ips que escutam os seus serviços, particularmente para o serviço ssh e configurar um ip ripe ao qual seja permitido o acesso a partir da rede pública.


1. Introduzimos o servidor em mode rescue.

2. Montamos a partição / depois fazemos um chroot (ver o guia mode rescue novamente) :

root@rescue # mount /dev/sda1 /mnt
root@rescue # chroot /mnt


3. Copiamos o ficheiro original para podermos reverter a qualquer altura.

cp /etc/sysconfig/network-scripts/ifcfg-eth0 /etc/sysconfig/network-scripts/ifcfg-eth0.save


4. Editamos o ficheiro /etc/sysconfig/network-scripts/ifcfg-eth0, e subtituímo-lo por :

DEVICE=eth0
BOOTPROTO=static
IPADDR=172.16.0.10
NETMASK=255.240.0.0
BROADCAST=172.31.255.255
GATEWAY=172.31.255.254
ONBOOT=yes


5. Podemos igualmente adicionar um ip failover ripe através da duplicação do ficheiro :

cp /etc/sysconfig/network-scripts/ifcfg-eth0 /etc/sysconfig/network-scripts/ifcfg-eth0:0


No qual configura o ip ripe (ver o guia Vrack) :

DEVICE=eth0:0
BOOTPROTO=static
IPADDR=178.33.8.81
NETMASK=255.255.255.240
BROADCAST=178.33.8.95
GATEWAY=178.33.8.94
ONBOOT=yes


6. Para terminar, vamos reiniciar o servidor e adicioná-lo à baía virtual :

Reiniciamos o servidor com um pequeno timer para evitar termos de fazer um reboot hard pois perdemos o acesso ao servidor enquanto o introduzimos no rack virtual. O objectivo é que o servidor esteja no rack virtual no momento em que é reiniciado.

Vamos atrasar o reboot 10 minutos para fazer o passo seguinte, poderá concerteza baixar esse valor para 2 ou 3 minutos (sleep 120 ou 180) uma vez que "apanhou o jeito".

root@rescue # sleep 600 ; /sbin/reboot


Ligue-se ao seu manager V3 e seleccione o seu rack virtual.



Se já não o fez, poderá no Recapitulativo, adicionar e eliminar uma máquina ao seu rack virutal, assim como gerir as máquinas com uma placa de rede Fast Ethernet ao clicar em Gestão do servidores Fast Ethernet



Poderá de seguida activar e desactivar a sua máquina. O ip que deseja utilizar ser-lhe-á pedido a fim de ser configurado nos nossos routers.

Caso contrário, vamos adicionar o servidor e introduzimos o ip 172.16.0.10.

IMPORTANTE !!
A sua máquina deixará de estar disponível na rede pública se tiver configurado só o IP privado!




Para realizar os seus testes, queira consultar a secção "Testes, Diagnósticos" do guia Vrack

Debian Like (Debian, Ubuntu...)


IMPORTANTe !!
Esta etapa é crucial, pois o seu servidor não estará disponível na rede pública se configurar apenas um ip privado, e só se poderá ligar a ele a partir de outro servidor que esteja no interior do seu rack virtual.
Devemos tomar em conta esta informação na configuração da firewall, dos ips que escutam os seus serviços, particularmente para o serviço ssh e configurar um ip ripe ao qual seja permitido o acesso a partir da rede pública.


1. Introduzimos o servidor em mode rescue.

2. Montamos a partição / depois fazemos um chroot (ver o guia mode rescue novamente) :

root@rescue # mount /dev/sda1 /mnt
root@rescue # chroot /mnt


3. Copiamos o ficheiro original para podermos reverter a qualquer altura.

cp /etc/network/interfaces /etc/network/interfaces.save

4. Editamos o ficheiro etc/network/interfaces, e comentamos eth0 para mudá-lo pelo ip privado :

#auto eth0
#iface eth0 inet static
# address 94.23.10.210
# netmask 255.255.255.0
# network 94.23.10.0
# broadcast 94.23.10.255
# gateway 94.23.10.254


auto eth0
iface eth0 inet static
address 172.16.0.10
netmask 255.240.0.0
broadcast 172.31.255.255
gateway 172.31.255.254


5. Podemos igualmente adicionar um ip failover ripe ao mesmo ficheiro (ver o guia Vrack) :

auto eth0:0
iface eth0:0 inet static
address 178.33.8.82
netmask 255.255.255.240
broadcast 178.33.8.95
gateway 178.33.8.94


6. Para terminar, vamos reiniciar o servidor e adicioná-lo à baía virtual :

Reiniciamos o servidor com um pequeno timer para evitar termos de fazer um reboot hard pois perdemos o acesso ao servidor enquanto o introduzimos no rack virtual. O objectivo é que o servidor esteja no rack virtual no momento em que é reiniciado.

Vamos atrasar o reboot 10 minutos para fazer o passo seguinte, poderá concerteza baixar esse valor para 2 ou 3 minutos (sleep 120 ou 180) uma vez que "apanhou o jeito".

root@rescue # sleep 600 ; /sbin/reboot


Conecte-se ao seu manager V3 e seleccione o seu rack virtual.



Se já não o fez, poderá no Recapitulativo, adicionar e eliminar uma máquina ao seu rack virutal, assim como gerir as máquinas com uma placa de rede Fast Ethernet ao clicar em Gestão do servidores Fast Ethernet



Poderá de seguida activar e desactivar a sua máquina. O ip que deseja utilizar ser-lhe-á pedido a fim de ser configurado nos nossos routers.

Caso contrário, vamos adicionar o servidor e introduzimos o ip 172.16.0.10.

IMPORTANTE !!
A sua máquina deixará de estar disponível na rede pública se tiver configurado só o IP privado 172.16.0.10 !




Para realizar os seus testes, queira consultar a secção "Testes, Diagnósticos" do guia Vrack

Gentoo


IMPORTANTE !!
Esta etapa é crucial, pois o seu servidor não estará disponível na rede pública se configurar apenas um ip privado, e só se poderá ligar a ele a partir de outro servidor que esteja no interior do seu rack virtual.
Devemos tomar em conta esta informação na configuração da firewall, dos ips que escutam os seus serviços, particularmente para o serviço ssh e configurar um ip ripe ao qual seja permitido o acesso a partir da rede pública.


1. Introduzimos o servidor em mode rescue.

2. Montamos a partição / depois fazemos um chroot (ver o guia mode rescue novamente) :

root@rescue # mount /dev/sda1 /mnt
root@rescue # chroot /mnt


3. Copiamos o ficheiro original para podermos reverter a qualquer altura.

cp /etc/conf.d/net /etc/conf.d/net.save

4. Editamos o ficheiro etc/network/interfaces, e comentamos eth0 para mudá-lo pelo ip privado :

#config_eth0=("94.23.10.210 netmask 255.255.255.0")
#routes_eth0=( "default gw 94.23.10.254" )


config_eth0=("172.10.0.40 netmask 255.240.0.0")
routes_eth0=( "default gw 172.31.255.254" )


5. Podemos igualmente adicionar um ip failover ao adicionad uma linha suplementar (ver o guia Vrack) :

config_eth0=("171.16.0.10 netmask 255.240.0.0"
"178.33.8.84 netmask 255.255.255.240 brd 178.33.8.94")
routes_eth0=( "default gw 172.31.255.254" )


6. Para terminar, vamos reiniciar o servidor e adicioná-lo à baía virtual :

Reiniciamos o servidor com um pequeno timer para evitar termos de fazer um reboot hard pois perdemos o acesso ao servidor enquanto o introduzimos no rack virtual. O objectivo é que o servidor esteja no rack virtual no momento em que é reiniciado.

Vamos atrasar o reboot 10 minutos para fazer o passo seguinte, poderá concerteza baixar esse valor para 2 ou 3 minutos (sleep 120 ou 180) uma vez que "apanhou o jeito".

root@rescue # sleep 600 ; /sbin/reboot


Conecte-se ao seu manager V3 e seleccione o seu rack virtual.



Se já não o fez, poderá no Recapitulativo, adicionar e eliminar uma máquina ao seu rack virutal, assim como gerir as máquinas com uma placa de rede Fast Ethernet ao clicar em Gestão do servidores Fast Ethernet



Poderá de seguida activar e desactivar a sua máquina. O ip que deseja utilizar ser-lhe-á pedido a fim de ser configurado nos nossos routers.

Caso contrário, vamos adicionar o servidor e introduzimos o ip 172.16.0.10.

IMPORTANTE !!
O seu servidor deixará de estar disponível na rede pública se tiver configurado só o IP privado !




Para realizar os seus testes, queira consultar a secção "Testes, Diagnósticos" do guia Vrack